Já passava das cinco. Naquele momento eu lamentava pelo término do horário de verão. De que adianta, pensei, eu aqui sujo de terra posso fazer o quê?

Zé Penseira. Desde criança. Talvez tenha sido meu pai, que adorava introduzir um “Zé” na frente de tudo quanto é nome. “Zé Ricardo” para “Ricardo”, “Zé Antônio” para “Antônio” e, pode acreditar, “Zé Seu Zé” para o “Seu Zé”. Eu achava divertido. Quem veio primeiro? O apelido ou meus devaneios constantes? Como saber? Até que ponto somos aquilo que nos dizem que somos?

Ela veio com uma jarra de vidro. Limonada, Zé? A voz soou tão sexy que cheguei a estremecer. Tá quente demais, né? Eu já com copo e jarra na mão, a enxada jogada pro lado, firmei o queixo enquanto ela desabotoava a camisa xadrez. A língua dela, intencionalmente deixada à vista, roçava os lábios a cada botão libertado. A lingerie vermelha me fez suar um pouco mais. Embasbacado, não acreditei quando ela tirou o short jeans e me agarrou pela cintura. A essa altura, meu coração já estava alucinado. Excitado, me livrei da jarra e do copo. O som do vidro quebrando me fez paralisar.

O que foi, Zé? Não curtiu?


Para ler ouvindo:MC Brinquedo e MC Pedrinho – Capim Canela

Esta crônica faz parte do Music Experience

Olha, Sr. Frango, tá pronto, mas foi difícil! Pra começar, é mega complicado quando a música gruda na cabeça. Tudo que eu pensava em escrever se resumia à própria letra.  Até tentei fazer algo mirabolante, mas, realmente, não tive forças pra me soltar desse chiclete… Consegui encontrar alguns elementos interessantes e no final foi bem divertido. Acho que, dessa vez, o clima da música foi mantido. Quem vai saber o que o Zé não curtiu?

Sobre o seu desafio, estou com sérias dúvidas a respeito do que escolher! Não que elas nunca tenham existido, mas, dessa vez, tem duas músicas berrando na minha mente. Sei que temos todo o tempo do mundo, mas creio que a que eu deixar de fora vai ficar tão chateada que não se mostrará como opção novamente. Enfim, paciência. A vida é feita de escolhas! Sendo assim, vamos a algo inusitado. Hora de ver o que você vai fazer com G.O.A.T , da Polyphia. Boa sorte!

Viajo há muito tempo percorrendo vários sistemas bem diferentes. A gravidade do planeta Química exerce forte atração sobre mim, mas o astro chamado Literatura é aquele no qual me sinto mais confortável. Nos entremeios e desencontros do caminho, músicas e histórias me ajudam a não perder o rumo.