Quando decidi levar a literatura mais a sério, lá pelos idos de 2011, criei uma meta de leitura ambiciosa. Escolhi 55 clássicos para ler até 2017, com objetivo de consumir pelo menos 70% deles no período estipulado. Ao final dos cinco anos, o resultado não foi tão satisfatório assim. Foram 20 obras lidas e outras sete na estante, totalizando 49% da meta.

Pensando nisso, repensei a meta. O número de livros diminuiu e a presença de mulheres aumentou. Tem menos calhamaços, muitos clássicos e alguns livros modernos. Ou seja, mais possibilidade de cumprir no prazo estipulado. Como da última vez, minha intenção não é ler tudo. Se eu conseguir atingir 80% dos 25 selecionados (ou seja, 20), já estou feliz.

Enfim, vamos começar a brincadeira. Aqui estão os livros selecionados para os próximos três anos:

Não lidos

  1. 1984 – George Orwell
  2. As aventuras de Huckleberry Finn – Mark Twain
  3. As meninas – Lygia Fagundes Telles
  4. Capitães de areia – Jorge Amado
  5. Crime e castigo – Fiódor Dostoiévski
  6. Dom Casmurro – Machado de Assis
  7. Ensaio sobre a cegueira – José Saramago
  8. Guerra e Paz – Léon Tostói
  9. Jane Eyre – Charlotte Brontë
  10. O apanhador no campo de centeio – J. D. Salinger
  11. O diário de Anne Frank – Anne Frank
  12. O engenhoso fidaldo Dom Quixote de la Mancha – Miguel de Cervantes
  13. O grande Gatsby – Scott Fitzgerald
  14. O retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde
  15. O segundo sexo – Simone de Beauvoir
  16. Obscena Senhora D – Hilda Hilst
  17. Oliver Twist – Charles Dickens
  18. Orgulho e preconceito – Jane Austin
  19. Pequenos Pássaros – Anaïs Nin
  20. Ratos e homens – John Steinbeck

Na estante

  1. A amiga genial – Elena Ferrante
  2. A casa dos espíritos – Isabel Allende
  3. A Cor Púrpura – Alice Walker
  4. A redoma de vidro – Sylvia Plath

Lidos

  1. A Guerra Não Tem Rosto de Mulher – Svetlana Alexijevich