Querido (?) Papai Noel,

Estou formalmente apresentando a minha rendição. Sim, é isso mesmo que você leu. Estou desistindo. Já que nos últimos seis anos você fez o ótimo trabalho de me ignorar, vou partir pra mesma estratégia. Não vou mais enviar cartinhas, receber presentes no Natal ou mesmo tentar ser feliz nessa época do ano. Não dá, não com você me sabotando desse jeito. Nem te chantagear deu certo. Tá foda, viu.

O mais frustrante é não saber o porquê de você fazer isso comigo. Tudo bem que nunca fui um frango bonzinho, mas se até os malvadões ganham um pedaço de carvão, não entendo o motivo da minha árvore amanhecer vazia todo dia 25. Envio cartinhas todos os anos, durmo na expectativa de encontrar algo bom pela manhã e toda vez é a mesma frustração. Depois saio por aí metralhando galinhas no cinema e você vai fingir que não tem culpa, seu velho gordo e cínico.

Sabe mais o que você é? Um filho da puta arrombado. Farsante. Fodedor de renas. Fabricante de merda. Filhote de cruz-credo. Frequentador de show da Lady Gaga. Faz-nada. Feto abortado. Falastrão. Frouxo. Fornecedor de crocs. Fuinha. Foragido por abuso de menores. Fudido. Fofoqueiro. Fake de Orkut. E olha que só falei os xingamentos com F. Se quiser, posso fazer uma lista pro alfabeto inteiro. Com certeza você merece cada um deles enfiados no fiofó (só pra manter o F).

Se você vier com um papinho de “Nossa, ofendeu o Papai Noel! Agora que não vai ganhar presente mesmo!”, vou esfregar na sua cara o total de zero presentes que já ganhei. Mentira, você me deu um presente há alguns anos: um aquecedor de bicos. UM AQUECEDOR DE BICOS! Como se algum frango nesse país tropical precisasse de uma merda dessas. Não é porque você não tem senso de ridículo e usa essa roupa vermelha quente e baranga que as outras pessoas precisam ter o mesmo gosto. Aliás, já mandei você se fuder hoje? Acho que não, então sinta-se contemplado pelo xingamento.

Enfim, essa carta é só pra contar que a partir deste ano vou criar o meu “Natal” paralelo aqui no galinheiro. Teremos novas tradições, novos ícones e, principalmente, outro ser que vai nos dar presentes. Deixei a descrição de vaga no Catho e um monte de divindades brasileiras esquecidas no tempo já me mandaram currículo. Estou analisando os candidatos e o máximo que posso te dizer é que elas estão bem mais solícitas que você foi a vida inteira. Muitas delas já me prometeram caminhões de presentes, inclusive.

Se der certo, minha ideia é transformar em uma franquia e expandir pra outros galinheiros. O objetivo é conseguir, aos poucos, acabar com a sua dominância por essas bandas. Tá mais do que na hora desse monopólio ter um concorrente de peso e estou disposto a trabalhar pra fazer isso acontecer. Ainda não decidi o nome do novo feriado, mas em breve você terá notícias minhas. Pode ter certeza.

Espero que você se exploda.

São os votos carinhosos do frango!

P.S.: Caso você mude de ideia, quero o telefone da galinha gostosa do poleiro de cima, um videogame novo, o remake do Pokémon Ruby e aquela sonhada viagem pra Porto de Galinhas. Espero algum deles embaixo da minha árvore!

Para ver as cartas de todos os anos, clique aqui.

Começou a escrever em 2008 para fugir de uma rotina massante no galinheiro e descobriu que era bom naquilo. Ou pelo menos achava que era, já que nunca conseguiu dar nenhum beijo na boca por seus textos. Dizem por aí que continua virgem, mas ele nega.