Pelo quinto ano consecutivo, minha marca de livros lidos ultrapassou os 6o. Até o momento que este post foi publicado, são 66 empilhados na cabeceira e com possibilidade de aumentar pelo menos mais um. Contribui para isso o tempo que passo dentro do ônibus diariamente, que não é pouco. Mesmo assim, foram bastantes livros, sendo alguns calhamaços.

O grande mérito de 2017, porém, foi ter me feito comprar pouca coisa. Chego ao final do ano com menos de 5% da minha estante não lida, o que é uma marca impressionante para quem acumula mais de 500 volumes pendurados nas paredes. Minha única meta é terminar tudo até meu aniversário, em julho, e então começar a comprar de forma racional, misturando entre físicos e virtuais.

Este ano também foi de grandes leituras, que acabaram não entrando no top 3. Comecei 2017 com os quatro primeiros volumes da série Discworld, do Terry Pratchett, e foi por bem pouco que O aprendiz de morte não entrou no ranking. Também terminei de ler parte da obra do Nelson Rodrigues, com mais de 150 crônicas da série A vida como ela é...

No campo dos novos autores brasileiros, li bastante coisa do Eric Novello (A sombra no sol; Amores, exorcismos e uma dose de blues; e Ninguém nasce herói), Enéias Tavares (A lição de anatomia do temível dr. Louison) e Larissa Siriani (Amor plus size). Também foi o ano que meu amigo Marcelo Zaniolo lançou a primeira obra dele, O templo dos ventos, e me proporcionou uma leitura bem gostosa. Dos clássicos nacionais, Triste fim de Policarpo Quaresma, do Lima Barreto, e A casa dos budas ditosos, do João Ubaldo Ribeiro, foram destaques.

Vindos de fora, alguns clássicos também merecem menções honrosas: O estrangeiro, de Albert Camus; A metamorfose, de Franz Kafka; 20.000 léguas submarinas, de Jules Vernes; e Da Rússia com amor, de Ian Fleming.

Enfim, foi um ano de grandes leituras. Mas antes de conhecer o top 3 deste ano, vejam quem foram os felizardos dos anos passados:

Ranking dos últimos anos
2011: 3º – Desventuras em série, Lemony Snicket || 2º – Os três mosqueteiros, Alexandre Dumas || 1º – Peter Pan, J. M. Barrie
2012: 3º – A invenção de Hugo Cabret, Brian Selznick || 2º – Jogador nº 1, Ernest Cline || 1º – A torre negra, Stephen King
2013: 3º – A dança da morte, Stephen King || 2º – O encontro marcado, Fernando Sabino || 1º – Daytripper, Fábio Moon e Gabriel Bá
2014: 3º – Mrs. Dalloway, Virginia Woolf || 2º – Lolita, Vladimir Nabokov || 1º – Sandman, Neil Gaiman
2015: 3º – O velho e o mar, Ernest Hemingway || 2º – Febre de bola, Nick Hornby || 1º – O senhor das moscas, William Golding
2016: 3º – A guerra dos tronos, George R. R. Martin || 2º – Pequenos deuses, Terry Pratchett || 1º – O sol é para todos, Harper Lee

2017

3º Lugar: Androides sonham com ovelhas elétricas?, Philip K. Dick

Imagem retirada daqui

Não sou um leitor assíduo de ficção científica e, por isso, decidi me aventurar um pouco mais no gênero. Se era para começar essa jornada, por que não fazer com um dos grandes autores? Como o Philip K. Dick tem um monte de livros publicados, peguei Androides sonham com ovelhas elétricas? por ter dado origem ao filme Blade Runner (que não assisti ainda, me julguem). Acertei em cheio. Foi uma baita experiência de imersão em um mundo novo, com discussões filosóficas sobre a humanidade e até onde pode ir o progresso científico.

O que mais me encantou no livro foi o personagem principal. A história acompanha um único dia de trabalho de Rick Deckard, um caçador de recompensas contratado para aposentar seis androides fugitivos. A medida que ele começa a encontrar e enfrentar suas vítimas, ele se questiona se o que está fazendo é certo e até onde vão suas crenças. Toda essa discussão é incrível, digna do terceiro lugar da minha lista.

2º Lugar: Anna Kariênina, Liev Tolstói

Quem me acompanha sabe como foi a saga para terminar Anna Kariênina. Ele já ronda minha cabeceira há pelo menos uns três anos, mas sempre aparecia alguma coisa para me impedir de continuar a leitura. Este ano tomei vergonha na cara e peguei firme até o fim. O resultado está aqui, a segunda posição do meu ranking.

Anna Kariênina é um livro grandioso desde o princípio, com a ideia que as famílias felizes se parecem, mas que as infelizes são infelizes à sua maneira. Acompanhamos duas histórias distintas, de um romance fadado ao fracasso e outro que tem tudo para dar certo. Durante essas idas e vindas da história, temos o privilégio de ler sobre a vida da Rússia na época, com os principais pensamentos vigentes e os dilemas que a população abastada das grandes cidades vivia. É um baita livro que demorei para ler, mas valeu a pena cada minuto gasto.

1º Lugar: A saga do Tio Patinhas, Don Rosa

Posso estar pegando muita gente de surpresa aqui, mas minha melhor leitura do ano foi um quadrinho Disney. Sim, estou colocando A saga do Tio Patinhas como a melhor coisa que passou em minhas mãos em 2017. Indicação do meu amigo Igor Rodrigues, a história de origem do velho pato rico e rabugento é uma aula de como construir histórias em quadrinhos, desde a pesquisa até o resultado final.

A começar pelo trabalho que o Don Rosa teve para criar essa saga. Toda a mitologia em volta do Donald foi criada pelo homem dos patos, Carl Barks. Ao longo das mais de 500 revistinhas escritas, Barks deixou uma série de pistas sobre o passado do Tio Patinhas, sobre como ele construiu a fortuna e por onde passou. O que Don Rosa fez foi compilar todas essas pequenas dicas e transformar em uma história coesa, única e emocionante, que desvenda a personalidade de um dos personagens mais queridos da Disney. É uma obra-prima que merece ser lida por todos!

E se vocês quiserem me ver lambendo esse quadrinho, participei de um CabulosoCast sobre ele que vale a pena ser ouvido.

Livros lidos em 2017
(As datas são relativas ao término da leitura)

07/01: A cor da magia – Terry Pratchett
12/01: A luz fantástica – Terry Pratchett
20/01: Revival – Stephen King
31/01: A história sem fim – Michael Ende
06/02: Uma história de solidão – John Boyne
13/02: A lição de anatomia do temível dr. Louison – Enéias Tavares
14/02: A sombra no sol – Eric Novello
19/02: Direitos iguais, rituais iguais – Terry Pratchett
22/02: O estrangeiro – Albert Camus
24/02: Astronauta: Assimetria – Danilo Beyruth
24/02: Repeteco – Brian Lee O’Malley
04/03: The bro code – Matt Kuhn
07/03: Triste fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto
11/03: O aprendiz de morte – Terry Pratchett
15/03: A metamorfose – Franz Kafka
20/03: A história de Kullervo – J. R. R. Tolkien
03/04: Amores, exorcismos e uma dose de blues – Eric Novello
04/04: Os 13 porquês – Jay Asher
09/04: Eu sou o mensageiro – Mark Zusak
20/04: Cujo – Stephen King
24/04: Valente para sempre – Vitor Cafaggi
24/04: Valente para todas – Vitor Cafaggi
25/04: Valente por opção – Vitor Cafaggi
25/04: Valente para o que der e vier – Vitor Cafaggi
25/04: Valente para onde você foi? – Vitor Cafaggi
27/04: A saga do Tio Patinhas – Don Rosa
27/04: Chico Bento: Arvorada – Orlandeli
11/05: Um gato chamado Borges – Vilto Reis
16/05: Tubarão – Peter Benchley
23/05: A casa assombrada – John Boyne
27/05: O templo dos ventos – Marcelo Zaniolo
08/06: A vida como ela é… em 100 inéditos – Nelson Rodrigues
11/06: O bazar dos sonhos ruins – Stephen King
20/06: O rei do inverno – Bernard Cornwell
28/06: A espetacular vida de Douglas Adams – Jem Roberts
06/07: Da Rússia com amor – Ian Fleming
07/07: Diário da mãe da Alice – Mariana Rosa
18/07: Síndrome E – Franck Thilliez
25/07: Gataca – Franck Thilliez
01/08: Androides sonham com ovelhas elétricas? – Philip K. Dick
22/08: 20 mil léguas submarinas – Jules Vernes
27/08: A vida como ela é… em série – Nelson Rodrigues
01/09: Will Eisner: um sonhador nos quadrinhos – Michael Schumacher
12/09: Ninguém nasce herói – Eric Novello
15/09: O arquivo dos sonhos perdidos – Rodrigo Rahmati
18/09: Na minha onda – Laura Conrado
20/09: Amor Plus Size – Larissa Siriani
23/09: Kalciferum – Demônios, bruxas e vagantes: livro 1 – Andrei Fernandes
24/09: Ao coração da tempestade – Will Eisner
28/09: Coração da Terra: contos de Ertha – Mariana Drack
14/10:  Tartarugas até lá embaixo – John Green
25/10: Anna Kariênina – Liev Tosltói
02/11: Salem – Stephen King
04/11: Antologia Mitografia: vol 1 – Mitos modernos – org. Leonardo Tremeschin
08/11: Goldfinger – Ian Fleming
22/11: A casa dos budas ditosos – João Ubaldo Ribeiro
26/11: The Brockets get a dog – John Boyne
26/11: Rosa de fuego – Carlos Ruiz Zafón
26/11: Goleada – Arthur Chrispin
27/11: A menina com lagartixa – Bernhard Schlink
28/11: Marvel Comics: A história secreta – Sean Howe
03/12: Vida e proezas de Aléxis Zorbás – Nikos Kazantzákis
06/12: Digam a satã que o recado foi entendido – Daniel Pelizzari
11/12: Trasgo – Ano 1 – org. Rodrigo van Kampen

Comecei a vida dentro de um laboratório de química, mas não encontrei muitas palavras dentro dos béqueres e erlenmeyers. Fui para o jornalismo em busca de histórias para contar. Elas surgem a cada dia, mas ainda não são minhas. Espero que um dia sejam.