O inventor do conceito de feriado deveria receber um prêmio Nobel da Paz. Tô falando sério. Deveria ser canonizado, beatificado, crucificado, sei lá. Esses feriados são a única coisa que salvam minha vida em meses altamente corridos. Quando cai próximo de um final de semana, então, melhor ainda.

Pena que, em pleno mês de festa junina, estamos passando por reformas no galinheiro. O granjeiro mudar tudo e nem consultou a gente. Os poleiros foram transferidos, tem madeira e prego por todos os lados, está tudo sendo pintado, as galinhas estão frenéticas.

Ou seja, tá uma confusão generalizada. Daqui um tempo espero poder apresentar os resultados para vocês. Mas enquanto isso, estou trabalhando igual um condenado. É saco de cimento pra lá, madeira para cá. Alguém podia avisar pro mestre de obras que sou um frango e não dou conta de fazer essas coisas. Para salvar minha pele, só o feriado de ontem. Aliás, foi feriado do quê mesmo? Ah sim, Corpus Christi. Mas o que diabos se comemora nesse dia? Deixa eu passar na Wikipédia para ver:

Corpus Christi (expressão latina que significa Corpo de Cristo) é uma festa móvel da Igreja Católica que celebra a presença real e substancial de Cristo na Eucaristia.

Oi? Festa móvel? Presença real e substancial de Cristo? Não faz nenhum sentido essa merda. Mas foda-se, ontem eu aproveitei para ficar completamente à toa. O melhor é que o “feriado móvel” caiu numa quinta. Isso quer dizer que o final de semana começou mais cedo. Seria uma ótima oportunidade para sair, tomar um sorvete, observar as galinhas gostosas pela rua e quiçá pegar uma delas. Seria ótimo, se hoje não fosse dia dos namorados.

Espero que ninguém venha me falar de dia dos namorados. Já estou mal o suficiente por um dia só. Como eu queria ter aquela galinha gostosa do poleiro de cima em meus braços. Poder estar nas asas dela por toda essa noite, fazer uma programação especial, um jantarzinho romântico.

Mas eu sou um frango. Nunca vou conseguir chegar nesse ponto. Isso é um fato. É um momento depressão, mas é verdade. Vô ali assistir “O Galinho Chicken Little” para ver se eu não melhoro. Se eu não voltar… bem, liguem para o pronto socorro.

Vou desativar meu antigo blog, o “Memórias de um frango”. Para isso, vou resgatar as crônicas que estavam postadas lá, dar uma repaginada e trazer para cá. A tal obra que me refiro no texto era uma mudança de layout no blog, que acabou não sendo realizada. Nessa época eu já estava trabalhando um bocado e ficando na faculdade o dia inteiro. Meus únicos momentos de escrever as crônicas era no meio das aulas ou nos feriados, como esse de Corpus Christi (que eu continuo sem saber o que é).