Há datas comemorativas e datas comemorativas. Tem algumas que me deixam mega empolgado, que me fazem pular do poleiro e acordar todo o galinheiro. Outras me animam até a conversar com aquela gorda nojenta cheia de celulite. Mas tem outras que me fazem querer apenas chorar no canto em posição fetal.

Dia das crianças é uma delas. Acho que já falei dela, não é mesmo? É por isso que afirmo: ser frango não é nada fácil! Tem coisas que simplesmente não dá para aproveitar, principalmente quando a sua principal característica é ser um frango. Nenhuma galinha te dá ideia porque você é muito novo e nenhuma franguinha te quer justamente por você ser muito novo. E aí, como fico?

Admito, estou um pouco emo hoje. Acordei assim e nem dá para falar que não tem motivo. É que ontem foi o dia do beijo e passei em branco. Pronto, admito! Fiquei bem mal por não conseguir aproveitar uma data tão boa. E olha que até tentei. Como garanhão reprodutor da granja, eu já deveria ter aprendido a pegar as galinhas com perfeição. Mas quem disse que eu sei?

Acho que cheguei em todas as galinhas ontem. Primeiro tentei ir devagar, sendo gentil, amável, falando coisas doces. Não adiantou. Mudei a atitude e também não deu em nada. Apelei e comecei a usar cantadas baratas de pedreiro. Foi uma tragédia. Momento flashback para mostrar como foi:

“-Nossa, que coxas apetitosas! Que horas elas abrem?”
“-Você gosta de água? (se a galinha responder sim) Então você já gosta de 70% do meu corpo.”

No primeiro caso, levei um tapa na cara. No segundo, a galinha riu da minha cara. Então desisti de tudo e fui para o meu poleiro. Só não chorei e cortei os pulsos porque meu nível emo não atingiu níveis tão altos. Calma, eu tenho pulsos? Deixa pra lá. Onde eu estava mesmo? Ah sim, fui dormir e só acordei hoje de manhã. Agora pretendo colocar um anúncios nos classificados dos jornais, pedindo currículos com fotos e uma pequena biografia das galinhas. E não, não vai ser na sessão relax.

Vou desativar meu antigo blog, o “Memórias de um frango”. Para isso, vou resgatar as crônicas que estavam postadas lá, dar uma repaginada e trazer para cá. Mais uma data comemorativa, mais uma crônica do frango no blog. Uma curiosidade sobre essa crônica é que me lembro exatamente onde eu a escrevi. Estava na aula de Teorias Jornalísticas quando me veio a ideia e tive que parar de prestar atenção para colocar a ideia no papel. Desculpa, professor, foi bom um bem maior.

Começou a escrever em 2008 para fugir de uma rotina massante no galinheiro e descobriu que era bom naquilo. Ou pelo menos achava que era, já que nunca conseguiu dar nenhum beijo na boca por seus textos. Dizem por aí que continua virgem, mas ele nega.